RÁDIO COMUNITÁRIA E O MOVIMENTO "FICA JASONE'

Profissionais de saúde na RadCom Nova Era FM

Na manhã desta quinta feira, 21 de fevereiro, a Rádio comunitária Nova Era FM realizou uma programação especial para criação do movimento intitulado "Fica Jasone", em defesa da permanência do médico Jasone Silva que poderá se transferir para o município de Feijó.

O locutor Raimundo Accioly comandou o Programa Terminal Comunitário Especial, com participação ao vivo dos ouvintes e também de profissionais da saúde lotados da maternidade local, liderados pelo Doutor Baba e a Diretora Alberlândia.

No final do programa o Médico e Prefeito da cidade, Doutor Rodrigo Damasceno foi até os estúdios da emissora se manifestar publicamente em defesa do colega. Rodrigo visitou Jasone logo cedo, fez contado com o superintendente da Caixa Econômica Federal e à tarde embarcou para Rio Branco para tratar exclusivamente desse assunto. "Vamos até o limite de nossas forças para garantir a permanência do nosso Jasone em Tarauacá", disse o prefeito.

AS RAZÕES DA POSSÍVEL SAÍDA DE JASONE – A esposa do médico foi aprovada num concurso da Caixa Econômica Federal e deve ser lotada em Feijó, fato que pode acontecer até o final do mês de março. Sendo assim, o marido teria que acompanhá-la. 

Prefeito Rodrigo Damasceno e Radialista Raimundo Accioly

Dr. Baba

Alberlãndia Cabral - Diretora da Maternidade 

"Fica Jasone"

Prefeito Rodrigo Damasceno 

Rádio está presente em 88% das residências e número de emissoras dobra em 10 anos

Brasília - Apesar do avanço de novas mídias e da expansão do acesso à internet, o rádio continua sendo um dos principais veículos de informação dos brasileiros. Segundo a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert),o rádio - que comemora hoje seu dia mundial - está presente em 88,1% dos domicílios do país, perdendo apenas para a televisão, que tem penetração de cerca de 97%.

O país tem aproximadamente 9,4 mil emissoras de rádio em funcionamento, incluindo emissoras comerciais AM e FM e rádios comunitárias. O número é mais que o dobro do registrado há dez anos, segundo dados do Ministério das Comunicações. Nos estados de São Paulo e Minas Gerais estão concentrados os maiores números de emissoras, com 1,4 mil e 1,3 mil, respectivamente.

O número de aparelhos de rádio convencionais passa de 200 milhões no Brasil, além de 23,9 milhões de receptores em automóveis e do acesso por aparelhos celulares, que somam cerca de 90 milhões. Isso sem falar no acesso às emissoras pela internet, por meio de computadores e smartphones. Aproximadamente 80% das emissoras do país já transmitem sua programação pela rede mundial de computadores.

O presidente da Abert, Daniel Slaviero, destaca que o rádio está se adaptando às novas tecnologias para disputar o mercado altamente competitivo da informação e do entretenimento. “Acreditamos no futuro do rádio, não como nossos pais e avós o conheceram, mas inovador, ágil, interativo e com a mesma importância social, eficiência comunicativa e proximidade com as comunidades e os ouvintes. Aos 90 anos, não há dúvida de que o rádio está em plena reinvenção”, avalia.

Para o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, o rádio faz parte da cultura dos brasileiros e não perderá espaço porque está acompanhando a evolução do setor. “Neste momento especial de transformações tecnológicas e do aparecimento de outras mídias, o rádio segue firme no nosso dia a dia porque também se transformou. Hoje é comum, corriqueiro, ouvirmos a transmissão da programação também pela internet, direto das redações das emissoras”, diz. O ministro garante que o governo trabalha para dar à radiodifusão a flexibilidade e pujança necessárias para continuar a crescer.


Emissoras de rádio no Brasil
Rádio
FM
Comunitárias
Ondas Médias (AM)
Ondas Tropicais
Ondas Curtas
FM Educativa
Outorgas
2.664
4.421
1.785
74
66
469
 Fonte: Ministério das Comunicações – dezembro 2012
Da Agência Brasil

Canal da Cidadania vai dar espaço para associações comunitárias na TV aberta

O Canal da Cidadania faz parte do conjunto de canais públicos explorados por entes da Administração Pública direta e indireta em âmbito federal, estadual e municipal, e por entidades das comunidades locais, dentro do Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD).

Dentre os principais objetivos a serem atendidos pelo Canal estão a busca pelo exercício da cidadania e da democracia, a expressão da diversidade social e o diálogo entre as diversas identidades culturais do Brasil, e a universalização do direito à informação, comunicação, educação e cultura. Além disso, pretende-se fomentar a produção audiovisual independente, de caráter local e regional e atuar na prestação de serviços de utilidade pública.

Para isso, o Canal da Cidadania vai fazer uso da multiprogramação possibilitada pela TV digital. Serão quatro faixas de conteúdo: a primeira para o Poder Público municipal, a segunda para o Poder Público estadual e as outras duas, para associações comunitárias, que ficarão responsáveis por veicular programação local.

Os pedidos de outorga podem ser feitos por municípios, estados e fundações e autarquias a eles vinculadas.

Prazos

Os municípios têm até 18 meses a partir da publicação da Norma Regulamentar do Canal da Cidadania, em 19 de dezembro de 2012, para solicitar a outorga. Transcorrido esse prazo, os estados poderão solicitar a autorização para explorar o canal ao MiniCom.

Após a conclusão desses processos de outorga, o Ministério das Comunicações vai abrir avisos de habilitação para selecionar as associações comunitárias, que ficarão responsáveis pela programação em cada localidade.

O calendário com a lista de cidades a serem contempladas nos avisos de habilitação, bem como os próprios avisos, serão divulgados nesse sítio, anualmente.

DESTAQUE

EQUIPE DA RADCOM NOVA ERA FM VAI HOMENAGEAR AS MAMÃES DE TARAUACÁ

No próximo domingo,  14 de maio, a equipe de Radialistas da Nova Era FM estará durante toda a manhã, realizando uma programação especia...

AS MAIS LIDAS